Quatro Municípios brasileiros concorrem ao título de Cidade Criativa da Unesco

Arquivo/Agência BrasilNeste ano, quatro Municípios do Brasil concorrem ao título de Cidade Criativa, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A certificação reconhece práticas que coloquem as indústrias criativas e culturais a serviço do desenvolvimento social local. Belo Horizonte, Cataguases, Fortaleza e Aracaju disputam, respectivamente, nas categorias gastronomia, design, música e cinema.

Criada há 15 anos, a Rede de Cidades Criativas reúne 180 cidades de 72 países, das quais oito são brasileiras – Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), em gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR), em design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), na música; e Santos (SP), no cinema. Além das citadas, há ainda as categorias de literatura e artes midiáticas. De acordo com a Unesco, os vencedores de 2019 serão anunciados no fim do ano.

A rede tem o objetivo de promover a cooperação internacional entre localidades com potencial de usar a criatividade como vetor estratégico para impulsionar o desenvolvimento urbano sustentável. A participação dos Municípios na iniciativa não envolve financiamento nem contribuição financeira entre Unesco e a prefeitura. Por meio de políticas públicas, boas práticas e projetos de base que promovam a participação de todos, a rede também coopera para o alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas.

Belo Horizonte
Com culinária singular e tradicional, Belo Horizonte (MG) se consolidada no turismo gastronômico no país. Hoje, a gastronomia representa quase 40% dos empregos na economia criativa da capital mineira, com mais de 21 mil pessoas formalmente empregadas. Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-MG), o setor movimenta R$ 4,5 bilhões por ano. O modo artesanal de fazer queijo de minas nas regiões do Serro e das Serras da Canastra e do Salitre é patrimônio imaterial do Brasil.Foto: Pedro Vilela/Banco de Imagens MTur Destinos

Cataguases
O polo audiovisual do Município do interior de Minas – que tem cerca de 75 mil habitantes – está em ascensão desde 2002, com a inauguração do Centro Cultural Humberto Mauro. O cineasta, pioneiro do cinema brasileiro, iniciou a carreira em Cataguases (MG). A criação de uma escola-estúdio para qualificação profissional de alto nível em design audiovisual e transmídia, com foco no setor de animação, é um dos projetos que devem desenvolvidos com a possível conquista do título de Cidade Criativa.

Aracaju
Ao se candidatar ao título na categoria música, Aracaju (SE) pretende estabelecer uma forte indústria criativa com investimentos nacionais e internacionais, além de vida cultural participativa incluindo os mais vulneráveis. Do ritmo tradicional de forró, o Município se reinventa em misturas de rock e jazz e em ritmos contemporâneos nos mercados nacionais e internacionais. Principal ativo da economia criativa de Aracaju, a cena musical tem projetos independentes, privados e públicos.

Fortaleza
Fortaleza (CE), que aspira pelo título em design, é considerada a quarta capital do país em número de estabelecimentos do segmento. Ela ocupa ainda a terceira posição entre as capitais brasileiras em número de empregos formais no setor, com uma taxa de 273,9 projetistas por milhão de habitantes, 80% superior à média brasileira. Tudo teve início com o ciclo do algodão no Ceará, a partir do século XVIII, quando o processo de industrialização de Fortaleza se consolidou com a criação de um parque industrial têxtil e uma área de produção de moda.

Da Agência CNM de Notícias, com informações da Agência Brasil e do Ministério do Turismo
Fotos: Arquivo/Agência Brasil e Pedro Vilela/Banco de Imagens MTur Destinos